, ,

Para ele, o último orgasmo

.
.
Mergulhei nos arquivos do meu cérebro, vasculhei gavetas, esvaziei, limpei tudo por seus quatro cantos, fechei e tranquei com a chave do esquecimento desfragmentando você de minhas memórias.

Exclui do meu e-mail suas palavras, imagens vídeos das esperanças que me fez crer um dia e que me deixei levar por fervor em ti.

No frio do meu quarto escuro a cama jazia ainda com os lençóis do seu cheiro, revirei-os para o alto levantando bandeira, sacudi nossas partículas grudadas em suas fibras, abafando o eco dos nossos gemidos virando-os do avesso, embolei nas mãos e os afoguei nas águas da máquina de lavar. Ali tudo seria dissolvido, alvejado e centrifugado - sonhos, esperanças, lágrimas, paixão, tesão, respingos de nossos gozos, todas as lembranças vividas seriam de agora em diante esvaziadas e levadas pela tubulação.

Fui queimando as fotos uma a uma, enquanto via as chamas consumirem aos poucos, retorcendo as expressões dos nossos rostos tomando formas surreais, os sorrisos antes espontâneos foram diante de meus olhos envergando-se até vê-las transformados numa fina película de carvão encolhido e transparente, que, de tão tênue eu podia assoprar pela janela a fora e vê-la diluída em pó escuro sendo levada pelo vento - aquele meu tempo vivido como se fosse capaz de com este gesto apagar todas lembranças.

Um banho de alma... eu precisava pelo menos simbolizar este ato no meu corpo. Entrei no chuveiro abri o máximo e a ducha se derramou sobre meus cabelos, descendo aos ombros, formando cachoeiras deslizando por cada centímetro do meu corpo, concentrei-me na lembrança dos seus toques nos meus seios, ventre, suas mãos buscando minha buceta os dedos entreabrindo-a na busca do meu clitóris massageando a princípio delicadamente e aumentando a pressão gradativamente seu dedo médio alisando meu cuzinho, ora entrando ora saindo, enquanto ia abaixando o corpo buscando com a boca minha xana já ávida pelo calor de sua língua ... dentro de minhas mãos, seu pau duro apontando, desafiante teimoso e apressado.


Enquanto minhas lembranças foram criando corpo, percebi que me tocava deliciosamente recostada no piso do banheiro. Seria uma despedida ou uma homenagem?

Deixei-me levar na masturbação sem importar com nada que não fosse o desejo impetuoso de me explodir em gozo gritando seu nome, desabafando também com palavras ofensivas de dor e tesão por aquele puto, safado gostoso, maldito macho!!! te odeio e... gozei com uma pulsação ritmada como se seu corpo participasse com movimentos que até cheguei a sentir aquele seu cheiro de  hálito adocicado pelo desejo.

Prostrada por alguns minutos me senti como se aos poucos acordasse lentamente de minha hibernação. Só ouvia agora a água caindo sobre meu corpo e eu me entreguei então àquele torpor consequente.

Foi meu adeus exorcizante, concentrado no que existia de mais forte entre nós que era uma paixão fundamentada no ardor do sexo.


Amante

9 comentários:

  1. Brutal este teu texto. Só lamento que não postes com mais regularidade...juro que lamento!
    Beijinho quente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ohh querido, obrigada pelo estimulo, muito bom que tenha gostado.
      Preciso mesmo escrever mais sobre as coisas que extravasa-se de mim, mas, nem sempre consigo um momento próprio.

      Obrigada lindão e gosto dele bem quentinho :))
      .

      Excluir
  2. Senti as tuas palavras, e o ardor subjacente à mesmas...

    Escrever também nos permite isso, libertar o que temos cá dentro.
    E partilhar...

    Beijo grande

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nikita
      Quando escrevo desvendo muito do que há em mim de uma forma mais organizada, mas quando vivo um momento desse sou mais desvairada pelo o estímulo do outro e me dou toda. Para valer tem que ser assim: intenso

      Obrigada apela visita, um beijo.


      Excluir
  3. Escreves tão bem! Concordo com o Jorge, adorava ler-te mais vezes.
    A tua intensidade sente-se. Este último orgasmo sentido na pele, despedida e lágrimas.
    Lindo :)
    beijos em ti

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imprópria
      Gosto de escrever, e a maioria dos meus contos saem de uma realidade já vivida por mim.
      Estou precisando acelerar mais minha vida neste sentido para que as coisas aflorem com maior frequência, você sabe: uma coisa puxa outra rsrsrs

      Beijos


      Excluir
  4. Então minha tesudinha boa? Estou com saudades dos teus posts...

    ResponderExcluir
  5. Minha amiga esta participando de um concurso de poesia e esta na semi final.E estou navegando de blog em blog convidando pessoas assim como vc para nos ajudar com o seu voto.
    O concurso esta nesse link:
    http://ostra-da-poesia-as-perolas.blogspot.com.br/ Podemos contar com o seu voto?
    Caso vc vá nos dá o privilégio de sua participação por favor deixe o link de seu blog para que seu voto possa ser validado.
    Desde já agradecemos.

    ResponderExcluir
  6. que tu brûles tes photos,
    ou tu te laves le corps avec de l'eau
    pour te débarrasser de tes souvenirs
    et ton présent et passé fouir
    rien à faire ma dame
    c'est dans le corps et l'âme
    marquer au fer rouge
    de notre imaginaire
    l'eau marque mieux sur le canard mieux que l'acte sexuel sur la femme
    je t'embrasse tendrement sur tout ton corps et surtout sur ta chatte
    avec mes amitiés

    ResponderExcluir


Obrigada por chegar até aqui. Seu comentário será valioso para que eu receba através dele, a sua opinião, prova da nossa interação.

Este espaço aborda o erotismo e assuntos relacionados com a sexualidade, mas, não explora a pornografia.

Comentários ofensivos, discriminatórios e preconceituosos serão deletados, aqui prevalece a ética e o bom senso dos leitores.
Um beijo