27/09/16

O erotismo explícito na arte de Gustav Klimt


Gustav Klimt foi um desenhista e pintor austríaco, cujas obras de arte se enquadram no contexto de dois movimentos artísticos modernistas: simbolismo e art nouveau. Gustav Klimt nasceu em 17 de julho de 1862, na cidade austríaca de Viena. Faleceu no dia 6 de fevereiro de 1918, na mesma cidade em que nasceu.
Foi considerado um dos grandes representantes da arte moderna na Áustria. Em 1900, chegou ao auge de sua carreira ao ganhar o Grande Prêmio na Feira Mundial de Paris. Foi muito polêmico, recebendo duras críticas dos setores mais conservadores da sociedade vienense do começo do século XX. 
As críticas eram direcionadas, principalmente, ao uso de elementos sensuais e eróticos em suas pinturas.

Klimt possuía uma eterna atração pelo feminino.

Vale lembrar suas  famosas obras como A Dama Dourada  e O beijo, em sua fase de ouro.


Durante a segunda Guerra Mundial o nazismo confiscou e roubou várias de suas obras por serem consideradas "arte degenerada', termo utilizado pelo regime nazista da Alemanha para descrever virtualmente toda a arte moderna. Tal arte foi banida com base de que era não-germânica ou de natureza.
Klimt realizou cerca de 3.000 desenhos eróticos, muitas vezes com cenas de sexo explícito – a maioria publicada após a sua morte. Além dos desenhos, muitas de suas pinturas trazem uma carga de intenso erotismo. O ato sexual é revisto através dos personagens clássicos da mitologia grega.


O amor lésbico


A vida também é vista através da passagem do tempo e do sexo. Outra questão explorada por Klimt é o amor entre as mulheres, como na obra As Amigas, [clique no link] para ver. E quando o homem se faz presente nas pinturas, é como voyeur ou como complemento.
Mesmo sendo casado, várias de suas figuras femininas eram ligadas a suas relações íntimas.

Seus desenhos eróticos causavam ao mesmo tempo repulsa e atração no público vienense. Paralelamente às suas obras mais clássicas, as mulheres como foco de sua atenção, foi uma verdadeira obsessão do pintor - que soube como retratá-las diante do novo século. Klimt utilizou-se das curvas femininas e do olhar evocativo das mulheres, sempre colocadas como figuras centrais, verdadeiras armadilhas de sedução para o observador pintando a mulher como um ser dominante, a femme fatale.

Masturbação feminina


Suas obras em que explora a intimidade da mulher foi considerado um pintor de "pornográfico".
A nudez é sempre crua, e as mulheres não são objetos passiveis para o prazer, mas para excitar com o seu próprio prazer e muitas de suas modelos eram prostitutas.

Gostava de desenhar mulheres se masturbando.

Veja os desenhos eróticos de Gustav Klimt clicando nas miniaturas da galeria abaixo. Para retornar à primeira imagem atualize a página.

...
.
.
.
.

24/09/16

Prostituição & conceitos

Centro de prostituição de Frankfurt o conhecido Eros Center onde concentram mulheres de todos os continentes [sem exceções].

Tenho lembranças memoráveis dessas ruas esplendorosamente iluminadas para a diversão e o sexo com todas essas luzes a piscar num aspecto chamativo nos bares, boates, restaurantes a quem passa pelas ruas do distrito vermelho, o que para a maioria das pessoas pode dar a impressão generalizada de:
"Bagunça, desordem, caos provocado por comportamento inadequado ou não condizente com um dado local."


relatividades


Refletida pelos neons dos letreiros, a vida pulsa noite adentro nos locais intitulados de puteiros, considerando que a putaria relacionada com o sexo é útil na sociedade e deveria ser compreendida com um menor grau de descriminalização se for confrontada a tantas atitudes esdrúxulas e imorais de certos comportamentos assim também como dessa putaria presidencial . Essas sim corrompem moralmente sem falar que o Big Brother Brasil já deveria ser direcionado para +18.

Analisando bem, se for uma questão de moral podemos parar por aqui e vamos ao que me interessa que é uma leve divagação sobre a prostituição, porque ela é realmente muito complexa e relativa pois o ser humano é também desigual em sua igualdade como espécie, pelo menos no que toca a pontos de vista.
.
.
Ao lado do local que eu ocupava — um cômodo tipo kitnete de mais ou menos 30m², cortinado, banheiro confortável, um pequeno espaço [que era mantido de porta fechada] para fogão, pia, e um frigobar, — eu tinha como vizinha uma cidadã alemã muito bonita com seus 1.80 de altura, corpo escultural que era uma Dominatrix com especialidade na prática da dominação feminina, também chamada de "perversa". Suas roupas de tamanho mínimo preferencialmente na cor preta normalmente com tachas, luvas, acessórios de couro, sapatos ou botas de saltos finos altíssimos.
Dentro do quarto sobre num móvel via-se em exposição os seus instrumentos de trabalho: chicote, pênis com cinta, cordas, algemas, vendas e outros objetos. Ela era profissionalmente bem equipada para satisfazer os homens em seus fetiches. Porém... com a condição de que os castigos ou as ações fossem feitas apenas neles, of course.

Com um casamento estável e dois filhos, todas as manhãs o marido a deixava na porta do prédio para seu trabalho e no final da tarde quando voltava do escritório, a pegava de volta para casa. Profissão: prostituta legalizada, pagadora de impostos em dia. Uma mulher de aparência sóbria, sem vulgaridade [pelo menos nos corredores] traços requintados e ganhava rios de dinheiro por sua modalidade de serviços sexuais.
Para os homens que ali chegavam, o local não era associado a farras e bebedeiras, mas, num momento relaxante de intensos prazeres para aliviar o stress do dia, e muitos deles são homens casados que preferem dar uma antes de chegar em casa.
Mesmo os clientes jovens mais afoitos mantinham essas normas de comportamento. Seria uma questão cultural, ou agem por impulso temperamental na hora da escolha?
O perfil de mulheres que os homens buscam no Eros Center não se voltam para as escandalosas, ruidosas, nem as alcoólatras ou drogadas.
Eles pagam bem para estar longe de confusão, preferem aquelas com uma carga maior de sensualidade natural, malícia, porém sem posturas teatrais, isto é, que não encarne literalmente a figura de puta depravada, vadia que, no caso, e conforme a conveniência só seria extravasada no momento da intimidade. Pelo menos onde eu estava, esse conceito era regra e, apesar do significado ser o mesmo, os procedimentos continham diferenças. Isso só para confrontar as distinções com outras modalidades das casas de prostituição em outros locais.
Há outros em que se toma um drink, ouve música e bate um papo antes ou durante.

Prostituição legalizada

Fora o antigo termo "casa de tolerância"! porque a mulher tem o direito como também o dever de fazer o que foi previamente combinado antes do acerto. É um trabalho protegido por leis, pagam impostos.

Texto:Amante

Foi bem ali no 3º andar de um desses blocos que eu tive a minha experiência com O chupador de buceta

Clique no link ou na imagem